segunda-feira, 24 de abril de 2017

Fundação Cultural Palmares certifica a Comunidade Quilombola do Rio da Prata


Na última terça-feira, 18 de abril a Fundação Cultural Palmares fez a entrega da certificação a Comunidade Remanescente Quilombola "Dona Bilina" do Rio da Prata – Campo Grande – Rio de Janeiro.






A comunidade do Rio da Prata esteve presente para receber sua certificação tão desejada, entre eles: Caroline Rodrigues (tataraneta de D. Bilina), Drª Rita de Cássia Caseiro, Diego Carreiro, Aldemir Cardoso (neto de D. Bilina), Alice Franco e Graciano Caseiro.


A certificação de comunidades remanescentes de quilombos pela Fundação Cultural Palmares visa à regularização fundiária das comunidades, além de viabilizar a participação dos quilombolas em ações de políticas públicas do governo federal; Assegurar a efetivação de ações que promovam o reconhecimento, preservação, fomento e difusão do patrimônio e da expressão cultural dos e para os grupos que realizam atividades afro-brasileiras; Estabelecer mecanismos para a ampliação de programas dedicados á capacitação de profissionais para o ensino de história, arte e cultura africana e afro-brasileira assim como seu desenvolvimento dentro da rede pública de ensino; Realizar projeto escola com grupos e organizações coletivas que atuam diretamente na produção e difusão das artes e expressões culturais afro-brasileiras; Consolidar canais de disseminação das atividades realizadas pelos grupos, de forma a facilitar o intercâmbio cultural; Promover mecanismos coletivos para a troca de experiências e informações entre sociedade civil e órgãos governamentais.


O evento aconteceu nas instalações do Museu do Amanhã na Praça Mauá e contou com uma extensa programação tais como: Sarau de Poetas, Estante para Todos, Encontro Literário com Tarde de autógrafos, Desfile de Moda Afro, Grupos Instrumentais e Grupos de Dança, dentre outros.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Surge um novo canal cultural na Zona Oeste - Identidade Cultural


O Identidade Cultural surge com o objetivo de democratizar de maneira uniforme as informações relacionadas à cultura e mecanismos de integrações sócio cultural.

Mostrar o potencial artístico da Zona Oeste através de entrevistas e divulgar os trabalhos da região. Este é o formato do Identidade Cultural que estreou na última quarta feira com a entrevista do professor de dança de salão e coreógrafo Lincoln Pereira.

A cultura é a chave para o futuro seja ela qual for a sua arte, música; dança; teatro; poesia; cinema, contribuindo para o desenvolvimento a partir de sua identidade cultural.

O canal Identidade Cultural vai gerar oportunidades através da mídia digital, divulgando os talentos locais, movimentando a cultura e proporcionando uma maior interação em vários segmentos da sociedade.



quarta-feira, 12 de abril de 2017

"Festa do Caqui Rio da Prata" vai movimentar a cidade e o Polo Gastronômico do Rio da Prata de Campo Grande RJ

A 4ª edição da "Festa do Caqui Rio da Prata" será a atração do calendário de eventos e do turismo local, buscando revelar talentos da cultura e das artes.
O evento acontecerá nos dias 29 de abril (sábado), 30 de abril (domingo) e dia 1º de maio, (segunda feira - feriado) das 9 às 17 horas.
Neste ano, a FESTA DO CAQUI RIO DA PRATA, tem como tema o "Desenvolvimento sustentável, cultural e sócio ambiental de Campo Grande", buscando por um estilo de vida mais saudável, preocupado com a sustentabilidade do planeta e dos consumidores, espera-se aproximadamente um público de 5.000 pessoas, nesses três dias de festividade.
O evento, já está virando um marco na cultura ambiental da cidade maravilhosa, é visto como o de maior potencial no segmento de alimentos sem agrotóxico, trazendo empregos, criando oportunidade única, que levam em sua composição das matérias-primas e atrações turísticas para a região.
Programação:
·         Samba de Roda do Recôncavo Baiano com a artista Tainá e diversas outras atrações da cultura regional carioca. 
·         Exposição e venda de frutas selecionadas, legumes e verduras do maciço da Pedra Branca.
·         Exposição e venda de artesanato,
·         Barracas típicas e toda a diversidade da gastronomia e cultura local,
·   Ação Social da AGROPRATA (Aferição de Pressão, medição de glicose e orientação de enfermagem, esta é uma parceria do Colégio Santos Maia, sob a Coordenação da Equipe do Luciano Eduardo)
·         Teremos a presença dos Doutores da Terra,
·         Doações de várias mudas de plantas nativas do maciço da Pedra Branca
·         Talentos regionais expondo suas amostras de esculturas e quadros, exposição da renomada artista plástica, Carmen Paixão,
·         Pratos típicos da região, teremos almoço, churrasquinho, suco de caqui, café na roça.
·         Exposição maravilhosa de fotografias do Fotografo Tico
·         Muita música com a participação especial do cantor e compositor, Yago Eloy.
·         Sarau de poesias do grupo Coletivo Cultural Rio da Prata,
·         Mesa de debates e bate papo
·         Sarau Poesia Mix
·         Festa folclórica, com a participação de várias pessoas de etnias diferentes.
·         Exposição e venda do caqui fruta, caqui passa, vinagre de caqui e outros produtos cultivados dentro do Parque Estadual da Pedra Branca
Entrada 1 kg de alimentos não perecíveis a serem arrecadados e doados pela Festa do Caqui Rio da Prata, edição 2017.
Estamos aguardando todos vocês nesta Quarta Edição da Festa do Caqui Rio da Prata.
Equipe Organizadora,
Idealizadores e fundadores da Festa do Caqui Rio da Prata: Escritor Graciano Caseiro e Drª Rita de Cássia Caseiro (Diretora Executiva da AGROPRATA)
Organização: Caseirolé promoções e eventos, Crewolada produções, Superintendência Apoio: Feira Orgânica do Rio da Prata, Regional AP 5.2, Abio, FURNAS, Parque Estadual da Pedra Branca, INEA, Defensores do Planeta, UP!Essência, Colégio Santos Maia, Antigo Rio da Prata, Tico Fotografo e Associação Somar para diminuir, GNA - Guarda Nacional Ambiental.

Graciano Caseiro - 99945 2606
Rita de Cássia Caseiro - 99943 9537
Diego Carreiro - 98156 5209

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Prefeito Marcelo Crivella reuniu lideranças comunitárias e a comunidade para votar um projeto estruturante para o bairro de Campo Grande.


O encontro que aconteceu no Complexo Esportivo Miécimo da Silva, contou com a presença de aproximadamente 500 pessoas, que discutiram projetos estruturantes para o bairro.


Foram relatados vários problemas que afetam o bairro, entre eles, Mobilidade Urbana, Saúde e Transporte público.

As propostas apresentadas foram:
Mobilidade Urbana (Construção de um mergulhão na Av. Cesário de Melo com Estrada do Monteiro para facilitar o escoamento do trânsito).
Saúde (Construção de um novo Hospital na Estrada do Mendanha, ficando o Hospital Rocha Faria apenas como maternidade)
Transporte Público (Retirada da Estação do BRT Maria Tereza e transferi-la para a Av. Cesário de Melo com Rua das Amendoeiras e a ampliação do Terminal Rodoviário de Campo Grande até a área do camelódromo).

Dentre os projetos apresentados o projeto estruturante que ganhou foi a Construção de um novo Hospital na Estrada do Mendanha

Outros problemas relatados foram: Reforma da Praça no Lameirão Pequeno (colocação de uma academia da terceira idade); Urbanização do loteamento Santa Helena em Inhoaíba; Reforma da Praça da Filomena em Inhoaíba; Saneamento do valão na Rua Santa Dorotéia; Linha de ônibus que contemple o bairro São Basílio; Nova creche para o bairro de Cosmos e a construção de uma nova rodoviária, próximo a Rua Campo Grande. Crivella ouviu os relatos e disse que todas as reivindicações serão devidamente avaliadas.

sábado, 1 de abril de 2017

Mobilidade urbana na Zona Oeste do Rio de Janeiro



A mobilidade urbana é obtida por meio de políticas de transporte e circulação que visam à melhoria da acessibilidade e mobilidade das pessoas, mas isso não é o que está acontecendo no Rio de Janeiro, em especial na Zona Oeste.

Na Zona Oeste do Rio, tudo fica para depois, entra prefeito sai prefeito e nada é feito para solucionar os gargalos e deficiências encontradas.

   Muitos desses problemas são encontrados no bairro de Campo Grande onde às vezes tentam soluciona-los e acabam criando outros.
Como é o caso da Estrada do Monteiro que tinha uma ligação direta com o Viaduto Alim Pedro e hoje em dia não existe mais, fazendo com que o motorista tenha que entrar na Rua Professor Castilho e enfrentar o mesmo engarrafamento que enfrentava quando seguia direto para o viaduto; para complicar ainda mais, construíram uma estação do BRT no cruzamento da Estrada do Monteiro com a Av Cesário de Melo, afunilando ainda mais a Est. do Monteiro. A referida estação até hoje não está funcionando.
   Outros gargalos são: Cruzamento da Rua Rio do A com Rua Vitor Alves; ligação da Estrada do Monteiro com a Rua Luiz Barata; Rotatória na Rua Olinda Ellis com Estrada da Cachamorra; duplicação do pequeno trecho na Estrada do Pré, da Rua Mora até a Estrada do Cabuçu e mão única no trecho da Mora até a Cabuçu; Rotatória na Estrada do Cabuçu com Olinda Ellis e Asfaltamento do trecho entre a Av. Brasil e a Estrada do Tingui, fazendo sua ligação completa.
   Já em Bangu existe um projeto que é a ligação de Bangu a Nova Iguaçu passando pelo Gericinó, até a Av. Brasil e da Rua Doutora Estrela até o viaduto novo de Bangu.
Solução:
· Construção de um mergulhão na Av. Cesário de Melo com Estrada do Monteiro
· Estação do BRT – Colocar uma linha expressa saindo em horários pré-determinados do Terminal Campo Grande para a estação Magarça passando na IDA pelas estações Alim Pedro, Gramado, Parque Esperança e Maria Tereza, saindo daí direto para a estação Magarça e na VOLTA pelas estações Maria Tereza, Candido Magalhães e Terminal Campo Grande. O embarque na estação Maria Tereza seria somente nos horários pré-determinados ou retirar a estação daquele local e levar para outro que precise mais.
· Cruzamento da Rua Rio do A com Rua Vitor Alves – Abertura do cruzamento dessas vias.
Ligação da Estrada do Monteiro com a Rua Luiz Barata – Abertura desse cruzamento para que os motoristas tenham acesso direto ao cemitério.
· Rotatória na Rua Olinda Ellis com Estrada da Cachamorra – Essa rotatória melhoraria o fluxo em todos os sentidos.



· Rotatória na Estrada do Cabuçu com Olinda Ellis com a duplicação de um pequeno trecho na Estrada do Pré, da Rua Mora até a Estrada do Cabuçu e mão única no trecho da Mora até a Cabuçu; 




Um dos principais desafios da mobilidade urbana é permitir que as pessoas cheguem aos destinos desejados de uma forma rápida, segura e agradável.

   Isso não acontece com quem tem que pegar ônibus no lado norte de Campo Grande!
  Passageiros enfrentam sol e chuva em pontos de ônibus sem abrigo, espremidos em pequenas calçadas e se deslocando por outras ruas para fazerem baldeações; sem contar nos constantes engarrafamentos causados pela grande quantidade de ônibus que circulam pelas ruas Campo Grande, Gianerine e Rua Aracaju.
Solução:
· Construção de um Terminal Rodoviário Intermunicipal no lado norte de Campo Grande, retirando os pontos de ônibus ao longo da linha férrea e ruas adjacentes. Além de melhorar o trânsito, os passageiros estariam protegidos do sol e da chuva.

Mobilidade urbana é saber lidar com os padrões de deslocamento diário ofertando meios para que a população possa se deslocar facilmente e com acessibilidade completa a todos os meios de transporte.

   Integrar, trens, ônibus, BRT e metrô, isso é acessibilidade, mas essas integrações deixam a desejar na Zona Oeste; não existe uma integração com uma linha alimentadora do BRT Campo Grande com o METRÔ e entre o BRT Campo Grande com o BRT Sulacap; falta uma linha de ônibus passando pela Estrada do Pré saindo da Estação de Vasconcelos até o BRT Magarça.
   Existe também a necessidade da construção da Estação Ferroviária Ítalo Del Cima.
Soluções:
· Ampliação do Terminal Rodoviário de Campo Grande.
· Criação de uma linha de ônibus ligando o BRT (Rodoviária de Campo Grande) a Estação do Metrô de Coelho Neto, que contemplasse os moradores do lado sul de Campo Grande passando pela Rua Arthur Rios, Av. Santa Cruz, Rua Cel. Tamarindo, Av Brasil. Uma variante da linha 397 até Coelho Neto. Existe a concessão de uma linha de ônibus que só tinha um ônibus que era a linha 937 (antiga 817) Campo Grande - Fazenda Botafogo (via Bangu) e que não atendia ninguém. Porque não transformar esta linha em uma integração (BRT) Campo Grande x (Metrô) Coelho Neto
Justificativa: Atenderia muitas pessoas, seria uma grande integração e estariam ganhando também com o sucesso do desenvolvimento da mobilidade urbana. Poderia por exemplo colocar um ônibus na cor azul do BRT junto com o logotipo do metrô.
Seria mais uma alternativa de ir e vir do centro da cidade para quem mora em Bangu e Campo Grande e não tem opção para pegar o metrô, principalmente passando pela Av Santa Cruz.
· Criação de uma linha de ônibus ligando o BRT (Rodoviária de Campo Grande) ao BRT Sulacap.
· Criação de uma linha de ônibus ligando a Estação de Vasconcelos até o BRT Magarça, passando pela Estrada do Pré, Olinda Ellis (Centro Esportivo Miécimo), Estrada da Cambota, Rua Iturbirdes Esteves, Rua Comari (PAM), Estrada do Monteiro (Park Shopping), Estrada do Magarça, Estação do BRT do Magarça.
Justificativa: Não tem nenhuma linha que contemple este itinerário e facilitaria em muito aos passageiros
· Construção da Estação Ferroviária Ítalo Del Cima / João Ellis.

A Pavimentação e Qualificação de Vias Urbanas é um processo de mobilidade urbana para melhorar a acessibilidade do espaço urbano, minimizar segregações espaciais e contribuir para melhoria do fluxo de uma cidade ou bairro.

   Fala-se tanto em mobilidade urbana, mas não é isso o que se vê na Estrada do Tingui.
  Se essa Estrada estivesse totalmente asfaltada ela seria uma alternativa para quem vai para os bairros de Santa Margarida, Vila Nova e Sub-bairro Salim; desafogaria a antiga Rio São Paulo, traria acessibilidade para a população e rapidez no transporte urbano
Outros locais que melhorariam o fluxo e melhoraria a acessibilidade são:
  Obras de ligação da Estrada da Caroba com a Estrada da Posse – obra de grande importância para a região (vai precisar de construção de túnel), desafogando a estrada das Capoeiras e a Estrada do Mendanha, melhorando o corredor de ligação da área central com a Av. Brasil;
   Duplicação da Rua Olinda Elis (da Av. Cesário de Melo até á Estrada do Cabuçu);
  Mergulhão na Avenida Cesário de Melo – ligando lado norte ao lado sul; prolongamento da Avenida Alhambra até a Estrada da Cachamorra;
  Pavimentação da Rua Irajuba, fazendo a ligação da Estrada do Cabuçu com a Estradado dos Caboclos.

Alguns desses projetos já estão sendo estudados e foi alvo de discussão em encontros com comerciantes, lideranças da Zona Oeste e comunidade.
O último encontro aconteceu no Centro Esportivo Miécimo da Silva no dia 31 de março de 2017, com a presença do Prefeito Marcelo Crivella, Vereadores, Deputados e o Secretario de Infraestrutura, Urbanismos e Habitação Índio da Costa.

UEZO fará ato em defesa do Ensino Superior Estadual

A defesa da autonomia universitária, a manutenção do financiamento da educação superior pública, a situação econômica e política do país...